28.8.17

FRAME: Bingo - O Rei das Manhãs por Eduardo Araújo (crítica)


[texto extraído do blog REVIDE de Eduardo Araújo] 

Começa bem, diverte depois vai entendiando e termina insuportavelmente como um filme moral.
Não aprecio cinebiografias, não esperava nada de Vladimir Brichta, que é um ator incapaz de compor um personagem. Mas Bingo é o Bozo, e tinha uma série de elementos interessantes da biografia do ator Arlindo Barreto para acrescentar ao personagem, ao mesmo tempo que mostraria os bastidores dos programas de tevê dos anos noventa, quando valia tudo pela audiência. Mas a ideia de encenar a história de um palhaço televisivo e de parcos recursos, se espalha por todos os aspectos do filme. Então, o tom jogoso se espalha entre todos os personagem, todos com máscaras, todos caricaturas, sem densidade, reiterando cacos/gags. A mãe é uma diva, a ex-esposa é uma estrela caricata de novela de tevê, o filho é o menino com bico, cheio de carências cobrando a presença do pai, os donos de emissoras são burocratas visando lucro, o gringo americano dono da marca Bingo é tão somente um gringo tolo e manipulável, a diretora do programa é uma durona evangélica que não sede as tentações. Todos cumpre esse papel sem curva. O ator que interpreta Bingo era um canastração de pornochanchada, segue sendo um canastrão politicamente incorreto até o final, sem evolução real que não seja a conversão à igreja evangélica. 

Há um fetiche de mostrar Vladimir Brichta de cueca, de flagra-lo cheirando cocaina, trêbado e transando com uma galeria grande de vadias que não tem nome, identidade etc. Seu comportamento errático e vicio é contraposto ao pai amoroso que sempre foi, mas que ao virar o Bingo, começa a faltar aos encontros com o filho, às festinhas de aniversário, que o esqueça na porta da escola e que, por contrato, não deixa que revele aos "amiguinhos" que ele é o homem por trás da máscara de palhaço.

Bingo então perde a mão. Vira só um dramalhão vazio sobre um cara que torra toda a grana em pó, desfila de cuecas e brada algumas obscenidades fora do ar. Ter sucesso para ele é uma forma de vingança contra os que não reconheceram seu "talento". Não há motivação, nenhum aspecto que seja explorado para além do fato de estar decepcionando o filhinho chorão. 
Quando tudo desaba, perde a mãe e se fere dando porrada na tevê e caindo drogado e bêgado, o desfecho só pode ser a conversão em cristão e palestrante em igrejas evangélicas. Redimido, pode se casar com a virginal balzaqueana produtora do programa. Perdido o papel de Bingo e já distante da corrupção da fama e do dinheiro advindo da televisão, só lhe resta tornar a ser um sem graça ex-ator pornô, ex-palhaço, ex-tudo.
As grandes emissoras passa a ser as vilãs, mas são vilãs sem rosto. Não há um Silvio Santos na jogada, e os "diretores da Globo" são um Pedro Bial que enfatiza a caricatura. A televisão que "suga o talento do artista depois o descarta" (outro clichê), do qual sua mãe de Bingo servirá de alegoria, já que ela fora uma "diva da tevê", que chegada no ostracismo, morre ao perder um papel numa novela.

 O que o filme faz é focar só o personagem, acompanhar sua trajetória, mostrar como os anos 90 foram politicamente incorretos, com suas canções de sentido sexual, com a vulgaridade das atrações, mas tudo conduzido - mesmo nas cenas em que Bingo cheira cocaina - de forma acéptica.


Lá pela metade, quando o espectador percebe que não há mais nada a contar/mostrar, que tudo será repetição sem ir ao fundo de nada, toda a palhaçada perde a graça. A cenografia é de primeira, os atores são bons, a fotografia bela, mas a direção linear não se empenha a ser cinema, mas narrar ilustrando sem deixar lacuna, nada a se preencher ou apontar para outros sentidos (como o jogo sujo que até hoje prevalece nas tevês, a falta de ética, e o talento para buscar audiência nem que para isso se sacrifique a inteligência). Sem inventividade nos planos e movimentos de câmera, Bingo não se distingue de um programa competente, mas sem brilho. Brichta segue sendo Brichta, o filme acabou e nada fica, a não ser aquele discurso moral que aponta para o novo caminho da tevê e do cinema: conquistar o público evangélico, resgatar valors cristão, a moral, a família para que qualquer subversão possível seja tida como pecado punível. A velha vida em preto e branco.

CLIQUE AQUI E CONHEÇA O REVIDE



>>>

24.8.17

Duas sessões de cinema neste semana




Preto no Branco de Valter Rege e Dara de Renato Cândido.

Sessão na Galeria Olido totalmente lotado!! Cinema negro mostrando sua força!





Abertura do festival com curtas incríveis:

Damiana (Colômbia)
Césio, O Camaleão (Brasil)
O Piscinão (França)
Todo Mundo (Alemanha)
Demônia - Melodrama em 3 Atos (Brasil) 





>>>

21.7.17

FRAME: Society of Virtue

Novo projeto de Ian SBF (Porta dos Fundos, Anões em Chamas), uma sátira aos super-heróis:
















>>>

18.7.17

* * *

É como um agricultor

Que espera ansioso a colheita para pagar as dívidas

E na noite anterior um tempestade acaba com tudo

É como se estivesse afogando e conseguisse colocar a cabeça para fora d'água

Sentir o ar e o calor do sol por alguns segundos

Até que o monstro de musgo fétido te puxasse pelo pé

Para o fundo do lago

É como o vazio a existência.





(Gilberto Caetano)




>>>

15.7.17

* * *

Faz tanto tempo que eles morreram

Que parece que nem existiram

Se as fotos não existissem

Se não fosse a saudade

Se não fosse a falta que fazem.





(Gilberto Caetano)





>>>

12.7.17

Na Veia: 10 Filmes para Conhecer o Cinema de David Cronenberg


Do Cineplot:

"O Kafka do cinema, o grande metamorfoseador da sétima arte. O canadense David Cronenberg chamou a atenção do mundo dos filmes ao expor em suas narrativas diversas ramificações da psicologia e da literatura. O cineasta é muito Kafka, como podemos ver em “A Mosca” e em “Mistérios e Paixões”, mas possui, outrossim, seu lado freudiano, enxergado com muita complexidade em “Os Filhos do Medo” e em “Calafrios”".

Clique aqui para ver a lista.






>>>

Veja também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...