28.12.10

FOTOGRAMAS

Uma pequena observação fotográfica que tenho do mundo.


Mais fotos minhas em:


Fotos tiradas em Arraial do Cabo/RJ, 2010.  




















24.12.10

* * *

Algumas palavras contra o mundo

E o mundo nem liga, fica mudo

Enquanto estou entre as tuas coxas

Escrever parece mais fácil, rápido

Ostras pelas ruas quando volto pra casa

Nem tudo está em seu devido lugar

Quem sabe, eu não”

Algo a ser testado, camuflado e importado

Porque a coragem às vezes não corre por estas terras

Enquanto estou entre as tuas cochas

As coisas parecem se mover, parecem obedecer

Se duas palavras rolaram de sua boca

Caíram em minhas veias, direto pela artéria

Tornando minha matéria inerte

Invertendo qualquer solução

Eu poderia ser qualquer outra coisa

Mas não enquanto estou entre as tuas coxas

15.12.10

(Conto): A BRISA DA CAIXA DE SOM

para Lígia O. 


Nesta terra existem algumas coisas que são um pouco fora do comum. Fora daquilo que os evangélicos diriam que é “coisa de Deus”. Nós sabemos disso. E isso é bom. Mantém as diferenças. Algumas garotas às vezes sentem tesão por coisas exóticas e ANA LÚCIA CINTRA nunca contou, nem para a sua melhor amiga, que tem tesão por caixas de som. Antes que você pense que ela transa com caixas de som, eu te alivio, não é isso, mas ela as usa. 

Ela, com 19 anos, descobre totalmente sem querer numa festa entre amigos. Cansada de dançar, Ana senta em uma pequena caixa de som. A pequena vibração contínua lhe dá prazer uma espécie de vibrador sonoro. Contagiante. Uma caixa pequena que lhe proporciona um orgasmo público. Alguns garotos bêbados desconfiam, sem nunca tocar no assunto. 

As festas crescem, em proporção, as caixas de som também. Namorados entram e saem de sua vida, as caixas continuam. Sua grande felicidade é ir à Danceterias e estar lá, coladinhas nas enormes caixas, não se importando com os tímpanos enquanto seu grelinho parece um sino. 

Ainda que entusiasta do prazer-por-mim-mesmo Ana carece de um homem. 

Não conseguiria em outro lugar senão num show de rock underground fuleiro num inferninho qualquer da Rua Augusta. E logo o guitarrista solo da banda. 

Cacete. Sexo, vinho e clichês à vontade na rua, na chuva e na garagem do prédio dos pais dela. 

O fluxo da vida segue até que o namorado deixa seu amplificador e sua guitarra na casa de Ana por um fim de semana. Ela não acreditava, mas sua vida muda no instante em que pluga a guitarra, senta no amplificador e toca alguns acordes meio sem sentido mas fazem todo o sentido do mundo para sua vagina. A pequena rosada ressoa como nunca. O mais impressionante é que ela mesmo dá o tom do prazer. 

Claro que ela troca o namorado por uma guitarra, um amplificador e uma pedaleira. Faz um curso intensivo de guitarra & violão. 

Uma boa siririca sonora começa com Pedro Pedreiro, cresce para Lugar Nenhum, diminui para a balada Black , depois Jumpin' Jack Flash, Black Dog, Take Easy Baby e culmina ensurdecedoramente com Guerilla Radio. 

A cada nova música que Ana Lúcia aprende, é um orgasmo diferente. Uma siririca sônica.



(Gilberto Caetano)

7.12.10

30.11.10

FOTOGRAMAS

Uma pequena observação fotográfica que tenho do mundo.

Mais fotos minhas em:
http://www.flickr.com/photos/gibacae















(fotos tiradas na Vila Maria Zélia/São Paulo/SP, 2009)

24.11.10

(Conto): 30

Que porra de clichê é este? Não era para ser uma crise, pô? No meio, ou quase, de sua vida e sem ter uma grande angustia, uma única fagulha de desespero por não ter realizado o que mais sonhou. Você não tem nada. Nada mesmo. BENJAMIM ANTUNES pode ter sorte. Não realizou metade do que planejou quando tinha 17 anos, talvez 15%. E ele sempre pensa: que foda-se. Não se importa. Ele acha que pode ter algum tipo de problema psicológico? Ou a crise dos quarenta é a que realmente pega?

Um anúncio nos classificados lhe chama a atenção enquanto procura uma casa de massagem qualquer:

---------------------------------------------
/ Precisa-se de Cobaia para /
/ Teste de Silêncio /
--------------------------------------------

Parece interessante.

- Aqui é um centro de pesquisa do som e isto é uma Câmara de Silêncio Absoluto.
- E o que essa câmara faz?
- Não faz nada. Silêncio absoluto. Hermeticamente selada para que nenhum tipo de som ultrapasse estas paredes.
- Pra quê?
- Para a indústria. Lugares que precise de uma concentração absoluta.
- Quanto tempo eu vou ficar lá dentro?
- Quatro horas.
- Quanto eu recebo?
- Noventa reais.
- Na saída da tal câmara?
- Na saída.
- Tá certo. Eu vou.

A preparação é simples. Benjamim nu dentro de uma sala branca, totalmente vedada, onde a porta de entrada é pequena e apenas uma câmera de vídeo para registrar todo o processo. As paredes, assim como o chão, são acolchoadas dando uma sensação de conforto. Três vezes uma pequena luz vermelha pisca e assim começa a experiência.

Acontece uma despressurização que deixa os ouvidos de Benjamim tampados, uma primeira reação que depois de alguns minutos passa. Realmente é uma câmara de silêncio absoluto. Nem um pequeno ruído dos computadores do lado de fora monitorando tudo que acontece se escuta mais. Nenhum inseto ou ar-condicionado. Nada. Muito estranho, apenas na morte pode-se pensar em algo assim. Benjamim fica fascinado pelas possibilidades de que uma câmara pode proporcionar. Seria preciso como nos dias em que ele precisa estudar e o vizinho escutando hinos evangélicos no último volume ou os garotos da rua fazendo barulho empinando suas motos. Seria relaxante uma dessas no quarto.

Apenas vinte minutos depois ele percebe que está escutando algo, uma pequenina batida. Ele procura nos cantos das paredes sem notar de que é o som de seu próprio coração. Ele põe a mão no peito e o sente mais forte. A batida é alta. Mais alguns minutos e ele também escuta o sangue correndo em suas veias pelo pescoço. Ele fica fascinado por escutar o ácido corroendo em seu estômago e o seu intestino trabalhando.

A cada momento que ele se esforça mais para escutar algo novo, seu coração está mais alto. Irritando-o. Benjamim bate forte no peito uma vez. Bate duas, bate três. Querendo que seu órgão vital abaixe o volume. O coração desobedece parecendo estar dentro do ouvido. Alto, alto. Desesperador para Benjamim.

Ele grita.

O voz reverbera nas paredes e volta com uma intensidade que faz seus ouvidos doerem. Sangrarem. Ele se encolhe no chão mas é impossível estar ali. Em menos de uma hora a loucura é eminente, a ponto dele tentar arrancar o próprio coração com as mãos e realmente tenta. A pequena porta é aberta e depois médicos entram antes que Benjamim se mate. Ele sai sentado em uma cadeira de rodas uma hora e quarenta minutos depois de entrar na sala de silêncio absoluto.

Benjamim que achava não tinha nenhum tipo de crise em sua vida, desde hoje, deste teste, ele terá um conflito permanente com seu próprio corpo.   




(Gilberto Caetano)

16.11.10

(Conto): A MENTE É UM LUGAR ESTRANHO

Como seria se eu quisesse me matar? Será que encontraria um método que não doesse tanto? Porque uma morte sem dor é o que todo mundo quer. Sem sofrimento. Sem piedade. Mas qual seria a melhor? Não uma estúpida para aparecer na Internet em listas do tipo: “As 10 Mortes Mais Ridículas”. As pessoas ainda duvidariam que alguém possa morrer desse ou daquele jeito estúpido. E o que é uma morte ridícula? A do homem que trabalhava em um circo e enquanto limpava o chão atrás de um elefante, o paquiderme cagou em cima de sua cabeça e morreu asfixiado pela merda ou a mulher que andava pela calçada e caiu um jarro de flores em sua cabeça de uma altura de 16 andares ou a criança que brincava no quintal e... Não posso ser um suicida qualquer. Tenho que ser um suicida com estilo.

Eu não posso me matar assim sem nenhuma pesquisa. E o que os meus parentes iriam pensar? Sentiriam toda a culpa por não terem me amado e blá e blá. Humm... eles que se danem... Preciso fazer uma pesquisa, não em livros ou na Internet – mesmo porque não confio em sua informações geradas de boatos –, preciso de uma fonte fidedigna. Qual? Um médico? Posso entrevistá-lo com a desculpa de que estou escrevendo um livro. Não, palavras são só palavras, por mais que alguém tenha uma boa percepção e imaginação sobre o que é a morte, nada se compara ao que é real... real? Isso! Real!

Vou seqüestrar uma pessoa, talvez duas. Amarrá-las e aplicar um tipo de morte no qual elas não sofram e aí sim faço o mesmo em mim. Genial, garoto.

Tudo tem que estar bem planejado. Enquadrado na previsibilidade. Seqüestro um homem ou uma mulher? Velho ou criança? Onde eu iria matá-las? Não na minha casa. Tenho que alugar um galpão ou algo parecido afastado do centro da cidade. Preciso de um carro grande. Alguma substância que as façam dormir. Quem seriam essas pessoas? Ando pela rua para ter idéias. Quem sabe se fosse um desses “Azulzinhos” que distribuem multas nas ruas nos carros estacionados, muita gente iria me agradecer.

Quem sabe pessoas que conheço? Se forem pessoas conhecidas eu teria que ir ao enterro fingindo estar emocionado, simular choro... horrível. Não sou um bom ator. Isso está ficando complicado demais. É prejuízo matar uma pessoa:

a) Locação (Casa, Apartamento ou outro lugar qualquer);
b) Carro + Gasolina;
c) Remédios;
d) Corda;
e) Aparelhos diversos para matar.

A + b + c + d + e = a um dinheiro que eu não tenho. Devo ter menos de 200 reais no banco, não cobre uma morte. CLARO!! Posso matar um Parente!! Vou na casa dele – corta o gasto de locação e gasolina – e mato com o utensílio que tiver na cozinha. Fantástico! Também pode ser uma ex-namorada... Pensando bem eu só tenho três ex-namoradas e elas são legais. Besteira. Mas até que uma ex-namorada deve ser a melhor opção, uma que não guarde nenhuma mágoa de mim. Que não tenha nenhum ressentimento. Além do mais, é mais fácil dominar uma delas do que um homem. Não a Joyce. Ela sempre foi mais forte do que eu. Já chegou até a me bater.

Qual delas eu mato? Qual delas... E o mais importante, como? Deus! Eu preciso de uma luz!! Caminhar faz bem. Ando por uma grande passarela por cima de uma estrada que leva ao litoral. Paro, penso mais, isso está me esgotando. Não como há alguns dias pensando nas varias formas de assassinar uma pessoa, dizem que até se enfiar uma agulha no umbigo ela pode morrer. Asfixia, atear fogo, injeção letal. Mas qual não sente dor? Não sente desespero?

Estou sozinho nesta passarela. Vem em minha direção uma senhora idosa. Deve ter uns 70 anos ou mais. Coitada...

He, he, he...

Não penso mais de três vezes até criar a coragem necessária de empurrar a velha da passarela. A altura deve ser de 20 ou 25 metros. Se por um milagre divino ela sobreviver, algum dos vários carros que passam lá em baixo irá atropela-la e não há escapatória. Se ela sobreviver a queda estará inconsciente ao ser atropelada e então não vai sentir nada quando morrer. É só um teste, garoto, vá em frente!

A velha parece pesada. Ninguém por perto. É um sinal. Certo... certo...

Pego a velha. Ela é mais forte e pesada do que aparentava. Luta bem, arranha o meu rosto, chuta o meu saco... velha filha-da-puta difícil de jogar. Ela agarra o meu pescoço. A pego e aperto uma das pernas e a bunda, a levanto contra o parapeito. Ela grita até ficar rouca, sua dentadura cai no asfalto e quebra em zilões de pedaço. Ela com certeza vai morrer!! Legal. Força, cara! Força, cara!

A velha implora e vejo as lágrimas petrificadas de medo em seus olhos ficarem cada vez mais longe de mim até o chão da auto-estrada. Um carro consegue desviar, um caminhão não. A velha fica presa por baixo do caminhão que a arrasta por 200 metros até parar. Com certeza a senhora morreu na queda e nem sei seu nome.

Mas e um jovem como eu? Humm... Talvez também morra na queda.

Mesmo que eu quisesse apertar o botão Rew do controle-remoto, o processo de pesquisa já começou. Há mais duas ou três que quero fazer. O Sol quente frita o meu cérebro já cansado.



(Gilberto Caetano)

9.11.10

* * *

- Sabe, cara. Eu estava pensando numa coisa muito estranha hoje.
- Tipo o quê?
- De onde surgem as realidades alternativas?
- Pior. De quais mentes estranhas saem estes personagens esquizofrênicos dos filmes?
- Quem gerou o Kubrick? Digo, quem colocou aquele monte de ideias na cabeça dele?
- Quem bolou a cena da privada de Trainspotting?
- Melhor. O que o cara usou para criar aquela cena?
- Clássico underground.
- Ééé. O que Bukowski estava pensando quando escreveu Quinze Centímetros?
- Eu não li esse.
- Caralho, cara. Quando será que pensaram que o homem poderia pisar em Marte?
- Ninguém pisou em Marte ainda.
- Não?
- Ainda não.
- O que será que as pessoas sentem quando criam algo?
- Sei lá. Eu fico impressionado é com a capacidade que uma pessoa tem em escrever no Twitter. Eu não tenho tanta besteira assim pra dizer.

2.11.10

FRAME: Como Declamar Drummond, 2004

Em 2003 foi proposto como exercício do Núcleo de Cinema e Vídeo COM-OLHAR com o objetivo do grupo dividir-se em duplas e produzir quatro curta. Minha parceria foi com Thais Scabio (na época éramos apenas amigos). Eu já havia dirigido dois curtas (Um Fechar de Olhos e Ecos do Ecocine) com estreia marcada para aquele ano e estava empolgado para fazer o primeiro curta com todas as decisões criativas também minhas. Queríamos homenagear de alguma forma Carlos Drummond de Andrade e Charlie Chaplin e o curta se chamou Como Declamar Drummond.


Produzimos inteiro dividindo todas as funções entre nós dois. Um dia antes da filmagem, ainda faltava um ator para um dos personagens. Eu estava andando pela rua no centro da cidade para ver se encontrava algum ator perdido disposto a trabalhar de graça no curta, não encontrei e liguei de um orelhão para a Thais, achando que ela teria alguma solução e neste mesmo instante, vi passando do outro lado da rua, Rafael Trevigno. Desliguei o telefone e fui correndo falar com ele, ele aceitou o convite. Com uma câmera Super-VHS emprestada do “chefe” Diogo Gomes dos Santos e mais 20 reais gastos na produção, inteiramente gastos no lanche dos atores junto com algum vale refeição que Thais pegou emprestado da irmã, filmamos em um único dia no teatro Clara Nunes no Centro Cultural Diadema antes da reforma.


Um ano depois, o Diaulas Ullysses editou “na faixa” em sua produtora e junto com os outros curtas do Núcleo COM-OLHAR (Todo Dia Ela, Tao e Pisada Marcantes) foram exibidos pela primeira vez em 2004. E neste mesmo ano nosso pequeno curta ganhou o Primeiro Lugar no Prêmio Plínio Marcos na Mostra de Artes de Diadema.
Um curta simples e hoje eu o vejo até ingênuo que selou minha parceria criativa (e ainda mais) com Thais Scabio e um pequeno embrião do que seria futuramente a Cavalo Marinho Audiovisual.

Assista o Curta COMO DECLAMAR DRUMMOND:


Direção, Produção e Roteiro
GILBERTO CAETANO e THAIS SCABIO

Atores:
DOUGLAS GODOI
UYARA SCHIMITD
BRUNO FERNANDES
WILLIAM FIGUEIREDO
RAFAEL TREVIGNO

Edição
DIAULAS ULLYSSES

Making Of
ROBY MORAES

Este é um pouquinho da minha história que será registrada como FRAME no meu blog. 

19.10.10

* * *

É impressão minha ou há muitas formigas por aqui?
Pelas minhas paredes
Comendo as minhas plantas
Querendo tomar o meu suco
Fodendo com o teto de gesso.

Querendo o meu fígado no café da manhã
Com pãozinho e pingado
Querendo a minha namorada.

Há formigas no meu quarto
Me sufocando
Andando pela minha língua.

Será que continuarei falando como antes?
  

13.10.10

5.10.10

(Conto): HORROR EM SANTO ANDRÉ

Existem algumas histórias que deveriam ficar escondidas no quartinho escuro de nossas mentes. Mas  elas ainda correm por aí e com um pouco de sensacionalismo de minha parte, peço que pare de ler este conto se sentir-se enojado ou uma indignidade querendo agir como Dexter e seu senso de justiça desajustado. Esqueça. Já o fizeram.

É como se estivesse acontecendo agora, sem aviso. Numa noite sem dia ou mês, apenas em 2009, mais uma ocorrência que o SAMU é chamado e tem que cortar rápido as ruas de Santo André, na Grande São Paulo, até uma casa, a mais bonita da rua. Os dois SOCORRISTAS (um jovem homem e uma mulher com mais de 10 anos de profissão) batem palmas, chamam, gritam e uma voz rouca angustiada responde que o portão está aberto. Eles atravessam um corredor, o quintal, estreito e mal iluminado. A porta de entrada da casa é na cozinha, cômodo grande. Há alguns pingos do que parece ser sangue no azulejo engordurado e pelo chão, uma faca jogada sobre a pia também com sangue.

- Senhor? Onde o senhor está? - perguntam os Socorristas.

O cômodo seguinte da casa, um lavabo, está com a porta trancada.

- A porta está trancada.
- Senhor? Foi o senhor quem chamou o SAMU?
- Abra a porta.
- Foi o senhor quem chamou?
- Eu queria... espera... –  murmura o homem.
- Abre, senhor.

Porta destrancada. A socorrista empurra a porta.

- Santo Cristo.

A pia está toda coberta de sangue. O lavabo é pequeno. Sobre a pia há um grande espelho na parede que chega quase até o teto. Ele vê um homem refletido no espelho, com cerca de quarenta e poucos anos, em pé com a calça abaixada até os joelhos e um bebê morto nas mãos.  

Os socorristas o arrasta para a cozinha e colocam o bebê sobre a mesa. Este homem, em um ataque de desejo incontrolável, estuprou sua filhinha de 6 meses de idade, o pênis rasgando a minúscula vagina. A dor refletida no rosto da nenê. O maldito pênis esmagou seus órgãos. A bebê morta ainda está com o pênis dentro de si, por isso o sangue no chão, ele tentando tirar o cadáver de seu instrumento de tortura. Morta presa ao pai. Os socorristas não conseguem tira-la e os levam para o hospital.

Na parte de trás da ambulância, o homem deitado na maca, aguardando ansioso para que o livrem do peso.

- Não era pra mim ter feito isso – diz o homem quase chorando, quase implorando, querendo se passar por um quase coitado.

No hospital, ele é carregado numa maca, um lençol branco sobre seu corpo manchado de sangue. Ficam numa sala, esperando. 

Dois policiais militares, um SARGENTO e um CABO, chegam para averiguar a ocorrência. A essa altura todos no prédio sabem sobre aquele monstro. Uma revolta, medo de tumulto, de justiça pelas próprias mãos. Os policiais vão até a sala com médicos e enfermeiras. Ao entrar na sala, o Sargento pede para que uma delas tire o lençol. O Cabo fica transtornado, tomado por uma dor insuportável que comprime seu coração e sua mente, a sala parece sem oxigênio e a única forma de voltar a respirar é cortando essa terrível contenção a bala. Ele dispara dois tiros na cabeça do estuprador e mais um no pescoço. Ninguém quis impedi-lo, ninguém no hospital se assusta com os três estampidos.

            O maldito está morto, como a inocente filhinha ainda presa. O Cabo está em estado de choque. Será afastado permanentemente por problemas psiquiátricos. Uma história baseada em fatos que realmente aconteceram e que poderia ficar esquecida, mas ela ainda corre por aí. 


(Gilberto Caetano)

...

28.9.10

* * *


Uma semana atrás aquela garota achava que tudo seria possível
Mas aquilo foi apenas uma fagulha de esperança
E aí ela se perguntou: Qual é o meu valor?

- Sei lá – diz o inconsciente – quem pode medir isso?
- Foda-se – diz consciente.

Pensativa com sua crise existencialista padrão sua mãe a interrompe, a encara e com uma incrível sensibilidade fala:

- Tudo que eu sempre odiei na minha vida você é, isso é deprimente.

A garota conclui que não precisa de mais duas semanas de vida. 



14.9.10

* * *



De sua boca rolaram duas palavras, escorregaram entre seus seios e deitaram sobre seu ventre

Duas palavras que entraram direto para a corrente sanguínea dele

Tomara que para sempre. 

8.9.10

Маркер: Ago/Set

        Terror em 30 Segundos                Y – O Último Homem (3)  
Zoom Magazine                                  Magic – The Gathering                
                                                   Franz Ferdinand
Hitchcock       Projeto Integrado       Vagalume Rosa        Trident        
          A Calda Longa   
          TdC           Metallica              Edição                   
Ex Machina              Dexter               Jamac Cinema Digital      
           Queen + Paul Rodgers 
           Sin City 3000  Feriado/Chuva            Story                                                              Fun Home

31.8.10

(Conto): APOSTAS


        Dia chuvoso, o PlayStation de MARCOS WINTHERKING SILVA já está cansativo, sem dinheiro, o dia dos namorados está se aproximando, ele lembra que não tem uma namorada, e isso é um problema. E não é o único, tem conta de telefone, conta de luz, conta de água, conta disso, conta daquilo. Que merda! De volta ao vídeogame, mas ele já terminou os 10 jogos que tem. Não tem nem dinheiro para alugar um filminho pornô para passar o tempo, comprar uma pipoca e chamar algumas amigas safadas. Ele gostaria de ter algumas amigas safadas. Marcos está só.
Quando desliga o game, na TV passa o telejornar da tarde. A repórter, tão atraente que deixa Marcos excitado – para ver o quando ele está desesperado – ela anuncia os números da Mega-Sena: 13/17/21/24/27/43. Isso deixa o prêmio acumulado em 45 Milhões de Reais.
Ele ouviu mesmo 45 milhões, o quê se pode fazer com isso? É mais fácil perguntar o que NÃO PODE fazer com tanto dinheiro. Ele pega sua carteira, tem 2 reais. Veste uma blusa, pega o guarda-chuva e sai. Anda dois quarteirões até a Lotérica, vê a placa na entrada que confirma, 45 Milhões, em um balcão tem os bilhetes para marcar os números, ele pega uns 50 e volta para casa.
Ele pensa em vários números e combinações. Números de ônibus que já pegou, datas de aniversário. Todo que pode imaginar, até a quantidade de punhetas do dia anterior. Escolhe os 7 primeiros números, 20 minutos depois mais 7 para o segundo jogo e 7 para o último. No verso dos bilhetes tem algumas explicações, ele lê essas informações, 6 números por 1 real e 50, dá para fazer apenas 1 jogo, 1 jogo apenas com 2 reais. 2 horas para tirar 1 de 7 números. Feito isso, Marcos lê as probabilidades de ganhar a Sena: 50.063.860 para 1. A Quina é 154.518 para 1 e a Quadra é 2.332 para 1.
Eu tenho que acertar pelo menos a QUADRA, pelo menos a QUADRA!!!”
Marcos pega sua blusa, o guarda chuva, e sai para a rua de volta a Lotérica, são 2 quarteirões e quando atravessa a primeira rua e vem um carro... quase, mas por muito pouco mesmo, Marcos não é atropelado. “É o diabo não querendo que eu ganhe!” Ele vê isso como um sinal. Quando ele atravessa a última rua para chegar a Lotérica... BBBBRRR RROOOO OOOOOMMM MMMM !!!!!!!!!!!
1 raio fulminante o atinge na cabeça, em cheio, em segundos está com o corpo todo queimado, tostado como frango de padaria. Se ainda estivesse vivo ele pensaria: Qual a probabilidade de um Raio acertar a cabeça de um homem de 50 anos quando este vai a lotérica?
Probabilidade de ser atingido por um raio: 1 em 576.000
           Probabilidade de morrer atingido por um raio: 1 em 2.320.000

Marcos sortudo...



(Gilberto Caetano)

25.8.10

* * *



       A inspiração está em todos os lugares.
       Na música que você escuta.
       No livro ou revista que lê.
      É apenas pegar essas partículas que estão por aí, pelo ar, juntá-las.
      Formar um pequeno espetáculo para que se divirta sozinho em seu quarto.

       Mas rápido.

      Atrás vem outro que pode pegar essas mesmas partículas. Juntá-las.
      E formar um pequeno espetáculo para que você se divirta ainda sozinho.

       E morder-se de raiva por não ter feito isso antes.


Veja também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...