25.8.09

(Conto): PSICOSSEXO


Punheta.

A definição na vida de muitos homens.

Uma punheta bem batida, para alguns, é melhor que sexo. Para JOSUEL FERREIRA isso é uma verdade absoluta. Ele é um punheteiro de primeira. Namorando ou não. De uns anos para cá, ele está mais solitário, por opção, já que suas últimas namoradas lhe enchiam mais o saco do que lhe davam prazer. Não era culpa delas, ele preferia seu melhor companheiro, o DVD-player. E a mão. Josuel hoje está viciado e solitário. E é feliz!!

A punheta começa como um ritual, não é só colocar o pau pra fora e movimentar a pele rapidamente para que o gozo chegue logo, não, não é isso. O gozo é a consequência, o bom da punheta é o tempo que você aguenta para o prazer, aquela quase gozada que não sai. O ritual começa quando se coloca o filme no DVD-player, cheio de expectativas quando a diva que irá aparecer. O jeito gostoso em que ela irá gemer, andar ou o melhor close-up. Josuel senta no sofá, controla o volume – claro que o bom punheteiro se preocupa com os vizinhos. Relaxa. Espera que seu pinto manifeste-se primeiro com Brianna Love rebolando na TV de 32 polegadas, linda. Josuel é capaz de sentir o cheiro dela. E depois com Jú Pantera. Ele assiste a dois filmes inteiros. Três horas de masturbação. Seu pulso dói depois que goza e o corpo esfria. Uma dor gostosa. O coração volta a bater normalmente.

Seu vício aumenta a tal ponto que Josuel não trabalha mais. Acorda às 9, dorme às 2 da madrugada. Cinco punhetas diárias. Com o passar dos dias, não abre mais as janelas. E depois de meses o cheiro de porra impregna todo o apartamento. Sai apenas para comprar mais filmes piratas na barraquinha em frente ao prédio onde mora, ao lado da 24ª DP. Seu acervo já conta com 213 filmes, muitos norte-americanos, brasileiros e alguns tchecos.

Numa das manhãs, extremamente comum, no seu café da manhã, acontece algo que o deixa em estado de êxtase. Quando Danilinha Mete-Mete aparece com seu corpo moreno escultural, deusa é pouco. Ela pára de rebolar e abaixar o nano-shorts e diz olhando nos olhos de Josuel através do tubo da TV:

- Você vai bater uma punheta bem gostosa pra mim, vai?

- C-claro – Ele responder sem pensar.

- Você queria apertar minha bunda, né?

Josuel baba quando a câmera focaliza a bunda perfeita e ela rebola. Pra caralho nenhum brochar. E aí o inusitado:

A rabuda sai da TV, literalmente, e continua rebolando. Uma punheta sônica, mão subindo e descendo no pau médio em grande velocidade. Ele tenta apertar a bunda mas ela é intangível, tipo um holograma 3D, coisa de ficção científica. Mas é quase real. É real pra caralho. A porra se espalha pela sala inteira, paredes meladas e um orgasmo que nunca Josuel atingiu antes. A rabuda sorri satisfeita e volta para dentro da TV. Ele sabe que isso é loucura, a gostosa não existe fora do DVD, não daquele jeito em que ela se mostrou.

- Como você se chama? – Danilinha pergunta de dentro da TV.

- J-Jo-Josuel...

- Josuel, gostoso – diz fazendo biquinho – bate mais uma pra mim, bate?

Em vinte segundo ele goza novamente.

A cada novo DVD, uma gata sai para visitá-lo fora da TV: Sylvia Saint, Mônica Santiago, Phoenix Marie, Rachel Starr, Melissa, Jayden James, Babalú, Aurora Jolie, Alize e Sabrina Lins. De cinco punhetas diárias antes, agora nove.. De nove para doze. Seu pinto lateja mas Josuel continua firme. Firme, obsessivo e orgulhoso.

- Bate uma para mim gato? – diz Yul.

- Não! Pra mim, gostosão! – grita Karla King.

- Você sabe que eu sou sua preferia – suplica de quatro Jiji.

Todas elas suplicando e exigindo mais de Josuel, mais, mais. Claro que ele se perde, seu pinto demora cada vez mais para endurecer e dói. Arde. Queima. Sua cabeça lateja como depois de cheirar lança perfume. Muito pior até.

- Goza pra mim!

- Pra mim, Josuel!

- Eu! Eu! Eu!

- Chega! Me deixa! – ele grita levantando do sofá tremulo.

- Não! – todas elas gritam em uníssono.

Elas pedem enquanto ele dorme. Pedem enquanto ele come. Quando toma seu banho. Josuel possui um único momento de sossego. Exigem dele, gritam, esperneiam para uma nova punheta e no seu desespero, Josué pega uma faca de cozinha enferruja e cega e decepa seu pinto. Seu precioso, como diria Gollum. Auto-castração. As vozes traiçoeiras e perversas cessam.


Josuel cai no chão da sala sangrando com seu pinto morto na mão. Rasteja para desligar a TV, mas, não consegue. Elas estão lá dentro. Ainda perversas. Torturando-o mais um pouquinho:

- Seu idiota.


- Cafajeste.

- Fraco.

Ele morre quadro horas depois abraçado ao pinto querido, deitado sobre uma poça de sangue e porra.


(Gilberto Caetano)

5 comentários:

  1. Ainda acredito que você deveria fazer um livro de contos, tipo Bu...

    ResponderExcluir
  2. CARA, ISSO É REFLEXO DE IMAGENS CONCEBIDAS NOS PRIMÓRDIOS...

    É O TIPO QUE GOSTO...


    LUIZ ALBERTO (BETO)

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Veja também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...